Entenda o Design thinking e saiba como aplicar em sua empresa

O design thinking se insere dentro de uma lógica de liberdade, tendo em vista que este é um elemento chave para ir em direção a algo inovador. A liberdade é necessária para o afloramento da criatividade, a qual busca materializar projetos que nunca foram vistos anteriormente, solucionando problemas que envolvem atravessar um caminho não testado por ninguém. É nesse sentido que a criatividade se insere como um elemento importante dentro do planejamento de carreiras profissionais. 

Contudo, para ser criativo, é necessário ser corajoso, algo que dificilmente ocorre dentro das empresas. Isso é explicado pelo fato de que a pressão por resultados sempre de forma imediata faz com que muitos funcionários optem por escolher soluções que são, de certa forma, menos arriscadas e mais seguras. Ou seja, procurando trabalhar com o máximo de eficiência, muitos trabalhadores de uma empresa preferem fazer o básico para entregar resultados ao invés de arriscar bolar algo mais criativo e, talvez, acabar frustrado com derrotas.

É por essa razão que o design thinking existe: ele busca revolucionar a forma como as pessoas desenvolvem soluções criativas e inovadoras para os seus problemas, levando em consideração as necessidades reais do mercado em que está inserido e não as informações estatísticas de pilhas de relatórios.

Mas o que é o design thinking?

O design thinking pode ser traduzido, literalmente, em “pensar como designer”. Isso porque um designer é o profissional responsável por gerar soluções que afetam as experiências humanas por meio de uma observação do mundo, enxergando-o de maneira emocional, racional e cognitiva. Portanto, o design thinking trata-se de uma abordagem para a solução de problemas

É importante frisar que o design thinking não é uma metodologia, já que ele não pressupõe a existência de uma fórmula capaz de ser aplicada em qualquer tipo de situação. Portanto, o design thinking busca trabalhar de maneira colaborativa e coletiva, pensando, sempre, em todas as pessoas que estão envolvidas no desenvolvimento de um produto. Ou seja, o centro da atenção são tanto os consumidores finais quantos os stakeholders. É por isso que o design thinking está relacionado com trabalhos em equipes.

Tal abordagem tem o intuito de unir as experiências de vida de todos os indivíduos envolvidos em um serviço, fazendo uso das suas respectivas bagagens socioculturais para resolver problemas de uma maneira mais ampla. Isso permite que barreiras sejam identificáveis de modo mais ágil, bem como as formas de derrubar elas. 

Portanto, pode-se dizer que o design thinking é uma abordagem pautada no ser humano em especial e pode ser utilizado em muitos setores do mercado, desde empresas de aluguel de equipamentos para construção civil até indústrias químicas, mecânicas, consultórios médicos, entre outros.

Sabendo que a missão principal das empresas é garantir a satisfação de seus clientes, essa tarefa só é capaz de ser concluída no momento em que as pessoas passam a compreender a fundo os desejos, as necessidades e as percepções de mundo que os consumidores possuem. É importante dizer que o design thinking pode ser aplicado tanto em empresas de prestação de serviços, como é o caso de firmas que realizam a instalação de piso vinílico, quanto em companhias que vendem móveis planejados, por exemplo.

O design thinking visa preencher a o vazio de eficiência de certos processos produtivos por meio da ação de observar novos rumos através do ponto de vista do consumidor final de um produto.

As etapas do design thinking

O design thinking pode ser resumido em cinco passos principais:

  1. Encontrando onde as oportunidades de inovação estão
  2. Descobrindo qual é a oportunidade de inovação
  3. Desenvolvendo a oportunidade de inovação
  4. Testando as ideias
  5. Implementando a solução

1. Encontrando onde as oportunidades de inovação estão

Em primeiro lugar, o design thinking busca, antes de tudo, realizar a compreensão dos caminhos necessários para a inovação por meio do conhecimento dos obstáculos e da própria capacidade dos indivíduos. Esse é um passo de suma importância para se alcançar resultados positivos.

Assim, para captar onde estão as oportunidades de inovação, uma empresa pode procurar entender os seus pontos fortes, as condições macroeconômicas, os pontos fracos da concorrência, entre outros fatores. Isso pode ser realizado por meio de benchmarking, análise SWOT, pesquisas de mercado, reuniões multidisciplinares e demais ferramentas de aprendizado a respeito do mercado. 

Nesse sentido, tomando como exemplo uma empresa responsável por realizar limpeza de ar condicionado, esta pode procurar inovar nos seus serviços após verificar que a venda de filtros novos e limpos é uma demanda dos seus clientes não suprida pela concorrência. Com isso, essa firma pode, talvez, ter encontrado uma oportunidade de negócio importante.

2. Descobrindo qual é a oportunidade de inovação

Depois do passo anterior, outras ferramentas podem ser utilizadas para que um negócio consiga indicar de forma mais contundente as oportunidades que se encontram dentro do seu negócio. Para isso, é possível usar pesquisas qualitativas ou trabalhos relacionados com Big Data.

3: Desenvolvendo a oportunidade de inovação

É nessa etapa que o design thinking começa a se estruturar de fato. Então, neste momento, os produtos ou os serviços abordados passarão a ser desenvolvidos a partir da percepção de valor e das necessidades reais do cliente, colocando de lado pressuposto inverossímeis ou simples análises estatísticas que não representam a realidade. Então, por exemplo, uma empresa que oferece locação de munck, após perceber que muitos clientes procuram, também, pelo aluguel de betoneira, pode passar a oferecer um pacote que inclui esses dois serviços com o intuito de aumentar a venda de ambos.

4: Testando as ideias

Após captar quais as ações que devem ser tomadas, uma empresa pode apostar no MVP (Minimum Viable Product). Esse conceito se refere ao ato de lançar no mercado uma versão mais simples e viável de um produto, o qual atua como um teste para uma checagem sem grandes gastos da efetividade de uma solução. 

Assim, a empresa consegue verificar se a sua ideia atinge e resolve, de fato, as necessidades dos seus consumidores potenciais. Para exemplificar essa ação, uma empresa pode adquirir algumas empilhadeiras para testar se um serviço de aluguel de empilhadeira retrátil seria vantajoso.

5: Implementando a solução

Depois de verificar que a sua ideia trouxe retornos positivos, uma empresa pode alcançar a etapa final do design thinking: o lançamento do produto. Contudo, não se pode imaginar que o desenvolvimento deste findará nesse ponto. Um produto deve estar sempre se aprimorando de maneira contínua por meio de processos de co-working envolvendo fornecedores, clientes, colaboradores internos, entre outras peças chave para uma empresa. Por isso, uma empresa que oferece serviços de aluguel de martelete deve procurar estar sempre aprimorando a qualidade do seu trabalho, bem como oferecer os equipamentos mais modernos da categoria.

Como essas ações podem ser aplicadas nas empresas?

Existe uma série de atitudes que podem ser tomadas por uma empresa para a instauração do design thinking dentro dos seus processos produtivos. Assim, pode-se citar certos exemplos, tais como:

Núcleo estratégico

Analisando os padrões de comportamento do mercado existentes no passado, uma empresa pode ser capaz de repetí-los no futuro. Contudo, o design thinking é contra esse tipo de atitude, buscando encontrar soluções que sejam de fato inovadoras, sem prestar atenção em como as coisas funcionavam antigamente, mas sim tendo como foco o que o consumidor espera e o que ele deseja para o seu produto. 

Portanto, pode-se dizer que o design thinking não se prende ao passado, tendo em vista que a dinâmica de funcionamento dos mercados está sempre em constante evolução. O contexto socioeconômico em que as empresas se encontram nunca é o mesmo. Por isso, se empresas de aluguel de betoneira antigamente não ofereciam seus serviços para fora das suas respectivas cidades-sede, isso não quer dizer que outras empresas do mesmo ramo precisam seguir a mesma estratégia.

Equipe de vendas

Essa estratégia é conhecida por, literalmente, oferecer aos gestores uma visão sob “os olhos dos clientes”. Com isso, torna-se possível a criação de estratégias de persuasão cada vez mais poderosas, já que as empresas infiltram os seus produtos dentro da lógica de comportamento dos consumidores.

Brainstorm

Termo proveniente do inglês, o qual pode ser traduzido mais corretamente em “chuva de ideias”. Fazer uma mesa redonda contando com os funcionários envolvidos nos processos da empresa pode ser uma fonte de sabedoria a respeito das próximas ações que devem ser tomadas. Assim, a criatividade pode ser explorada ao máximo. No caso de uma firma de aluguel de retroescavadeira, seus gestores podem promover reuniões para dialogar com os seus funcionários a respeito de maneiras de ampliar a sua clientela.

Com isso, observa-se que o design thinking já é uma realidade dentro de várias empresas, podendo ser aplicado em praticamente qualquer setor. Essa abordagem procura sistematizar como deve ocorrer a inovação, colhendo todos os frutos que esta pode oferecer ao trabalho. Assim, o design thinking consegue trazer resultados positivos para os negócios por meio de uma capacidade natural do ser humano: a de descobrir coisas novas.
Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *