Dia do Oftalmologista

Hoje é o Dia do Oftalmologista, uma oportunidade para se comemorar, mas também para se esclarecer pontos fundamentais para a saúde de todos. Uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2016 mostrou que no Brasil mais de 35 milhões de pessoas sofrem de algum problema de visão (aproximadamente 19% da população nacional à época da consulta). Dessas, em torno de 500 mil pessoas receberam o diagnóstico de cegueira. Mas o mais significativo é que o maior problema de saúde ocular em nosso país ainda é a falta de óculos.

 É importante lembrar que muitos dos casos de cegueira teriam caráter reversível, e outros poderiam ser evitados, caso houvesse maior acesso por parte da população aos tratamentos. A catarata é a principal causa de cegueira no Brasil, mesmo podendo ser curada. Ela é responsável por 47% dos casos de cegueira, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), e afeta principalmente a população acima de 60 anos. Seu tratamento é cirúrgico e estima-se que no país, anualmente, são realizadas 280 mil cirurgias de catarata pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e entre 80 e 100 mil são feitas por médicos particulares. Entretanto, esse número deve aumentar no futuro próximo devido ao envelhecimento da população.

 Outro ponto relevante diz respeito aos problemas oftalmológicos na infância. Dados epidemiológicos do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) mostram que nos últimos 10 anos o número de crianças que precisa usar óculos de grau passou de 10%¨para 20% da população infantil. Esses mesmos dados são corroborados pela Secretaria Estadual de Educação de São Paulo, que aponta para um prejuízo no desenvolvimento escolar da criança sem os óculos necessários.

 E há mais doenças oculares que também têm forte impacto na vida das pessoas, como o glaucoma e a degeneração macular relacionada à idade. Suas incidências poderão aumentar muito nos próximos anos, mas hoje existem muitas alternativas de tratamento que impedem seu desenvolvimento. O papel do médico oftalmologista é fundamental nessa trajetória e os recursos locais e até de telemedicina poderão fazer muita diferença na evolução dos diferentes casos e na qualidade de vida das pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *