Dados são conhecimento.

Agora imagine que você é presidente de uma grande empresa e precisa tomar uma decisão de risco para uma determinada campanha. Se há um banco de dados bem estruturado, é possível traçar um perfil claro de seus clientes, que vai de idade a classe social, para uma decisão mais assertiva.

Várias outras iniciativas de uma empresa são determinadas a partir das informações que um banco de dados fornece: ações de marketing, promoções personalizadas e até projetos de expansão de negócios. Isso porque os dados identificam quem é cada cliente, o que é essencial para a estratégia de qualquer empresa.

Um exemplo prático, a Walmart já tinha em 2005 uma quantidade colossal de dados em seu banco: transformados em letras, eles equivaleriam a mais de 1,9 trilhão de caracteres e, se enfileiradas, as letrinhas poderiam dar 31000 voltas inteiras ao redor da Terra. Não por acaso, essa é a maior empresa do planeta.

Mas de nada vale ter tantos dados se eles não tiverem qualidade. Ou seja, apenas dados corretos são capazes de fornecer informações confiáveis. Por isso, é muito importante saber como os dados são gerados e inseridos no banco, que deve ser organizado e compreensível.

Como funciona um banco de dados

Em um banco de dados, cada elemento é colocado em um campo separado. No caso de clientes, por exemplo, os campos podem ser “nome”, “sobrenome”, “endereço”, “bairro”, “cidade”, “telefone”, “idade” e assim por diante. Manter os campos separados permite classificar as informações mais rapidamente. Quando completar todos eles, forma-se um “registro” (ou “linha”) de cada cliente.

Os registros são estruturados em uma tabela, e você pode ter diferentes tabelas para diferentes informações, separando, por exemplo, os fornecedores dos clientes.

Um banco de dados capaz de relacionar e extrair informações de várias tabelas ao mesmo tempo é conhecido como “banco de dados relacional”. Os mais simples, que trabalham somente com uma tabela de cada vez, são chamados de “bancos de dados de arquivo simples”. Contudo, a grande maioria dos programas de banco de dados modernos são relacionais.

 

Percebeu algo importante? O banco de dados nada mais é do que a compilação das suas tabelas. E é aqui que a brincadeira começa: a partir dos dados organizados, você pode extrair as informações que quiser – verificar quantos clientes são da região Norte e quantos são da região Sul do país, em quais áreas de uma cidade vivem, quantos anos têm em média…

Estratégia é o segredo

É fundamental que a empresa tenha clareza de como irá usar o banco de dados porque é isso o que irá determinar o projeto básico da criação da ferramenta. Mas é preciso também manter um equilíbrio entre a simplicidade e a utilidade do banco de dados: quanto mais dados, mais complexo o banco.

Se a empresa é voltada ao público infantil, por exemplo, algumas perguntas-chave devem ser feitas: de qual classe social são meus clientes? qual o gênero? qual a faixa etária? quais são suas brincadeiras prediletas?

Ter uma visão estratégica é uma das principais habilidades na construção de um bom banco de dados. A empresa pode não ver necessidade imediata de coletar endereços de e-mail quando estiver montando sua estrutura, mas em poucos meses ela pode querer se comunicar com seus clientes através de uma newsletter. Pense em todo o trabalho poupado se houver uma projeto estratégico bem definido para a criação do banco de dados.

DBA, o analista de banco de dados

E quem é o responsável por construir o banco de dados? Como qualquer ferramenta, esse instrumento exige domínio técnico para que seja realmente funcional. Normalmente as empresas buscam consultores ou companhias especializadas na criação – e, se necessário, também na gestão – de suas bases de dados.

Chamado de administrador ou analista de banco de dados (em inglês, usa-se a sigla DBA – database administrator), o profissional normalmente cursou Ciência/Engenharia da Computação ou Tecnologia da Informação.

Para desenvolver o trabalho, algumas habilidades técnicas são imprescindíveis, como conhecimentos na linguagem SQL, entendimento da arquitetura de computadores, domínio de sistemas operacionais e sistemas de gerenciamento de banco de dados, entre eles Oracle database,PostgreSQL, MySQL, Microsoft SQL Server e DB2.

O especialista é o responsável por criar e configurar o banco de dados. Ele pode oferecer um treinamento, aconselhar a empresa sobre como utilizar a ferramenta, tanto na área de marketing, quanto na área administrativa, apresentar o software mais indicado para cada negócio, ensinar sobre o uso de malas diretas entre outras atividades.

Elementos técnicos  

Um bom banco de dados é composto por quatro elementos fundamentais, listados abaixo.

Acesso de dados

Os bancos de dados modernos usam uma linguagem de programação conhecida como SQL (Structured Query Language ou Linguagem de Consulta Estruturada) para acessar, atualizar e apagar dados de suas tabelas. Com ele é possível que outros programas acessem os dados via SQL. Um site, por exemplo, pode exibir dados de produtos, como fotos, preços e descrições, quando um servidor web se conecta aos seus dados.

 

Relacionamento de dados

Um dos aspectos mais importantes de um programa de sistema de gestão de banco de dados é como ele permite que diferentes tabelas se relacionam entre si. Quando um banco de dados contém uma tabela com informações de funcionários em sua equipe de vendas e outra sobre as vendas de produtos, o sistema de gerenciamento pode organizar a relação entre essas duas tabelas. O controle ajuda a empresa a identificar qual vendedor atingiu a meta e qual é o produto mais vendido.

Atualização de dados

Um banco de dados funcional permite aos usuários inserir novas informações, atualizar os registros atuais e excluir dados desatualizados. Quando um funcionário, por exemplo, vende 100 unidades, ele deve ser capaz de inserir informações de suas vendas no sistema de banco de dados. Os dados podem incluir o nome do vendedor, as informações do cliente, o produto  e quantidade que foi vendida. O banco de dados fornece um novo registro na tabela de clientes, atualiza o registro do funcionário e subtrai as unidades a partir desse registro.

Procura de dados

O sistema de gerenciamento de banco de dados também deve garantir que uma empresa possa construir e manter seus dados ao longo do tempo de funcionamento do sistema. As várias tabelas do banco de dados permitem que os usuários pesquisem através do sistema utilizando qualquer critério disponível. Os clientes podem procurar uma tabela de produtos por nome, marca, preço, cor ou qualquer outra característica. O banco deve armazenar todos os dados de forma organizada e sequencial para permitir que os usuários pesquisem registros anteriores com facilidade.

Conclusão

O Banco Dados é a alma da empresa, seja ela uma micro-empresa ou uma empresa gigantesca como o Google, sem os dados as pessoas não tem informações para a tomada de decisão. Por esse motivo você profissional de tecnologia da informação deve sim dominar está tecnologia que sempre estará presente no seu dia-a-dia.

Agora se você gostou do artigo eu te convido a compartilha-lo, só assim nosso trabalho pode ser recompensado e conseguimos espalhar mais a nossa mensagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *